A embreagem de moto, ao contrário das embreagens automotivas, é um mecanismo robusto e costuma ter vida longa. Porém, o mau uso e o desgaste excessivo podem fazer com que seja necessária uma substituição precoce do componente. 

O sistema de embreagem é o responsável por conectar o motor ao câmbio da moto e seu papel é fundamental para a motocicleta. Ainda assim, nem todas têm embreagem, como é o caso de grande parte das Scooters atuais com câmbios CVT (Continuously Variable Transmission).

Confira neste post como funciona o sistema de embreagem da motocicleta e entenda quando ela deve ser trocada.

Funcionamento da embreagem de moto

O sistema de embreagem é composto por um conjunto multidisco banhado a óleo. Esse conjunto combina discos revestidos com cortiça (que são mais escuros) e discos de papel (que são mais claros) para proporcionar tração à motocicleta através da fricção entre eles.

Isso é feito por um sistema de molas montado no conjunto, que garante que os discos sejam pressionados uns contra os outros quando o piloto solta o manete, transmitindo o giro do motor (que está ligado diretamente a um dos discos) para a caixa de câmbio.

Quando o manete de embreagem é acionado, as molas são suspensas e os discos deixam de fazer contato entre eles, deixando a moto desengatada.

Sinais de que a embreagem precisa ser trocada

Apesar de ser um sistema projetado para durar praticamente toda a vida útil da moto, se você não tiver certos cuidados com a motocicleta (principalmente com as motos off-road), a embreagem pode apresentar problemas que precisam ser reparados. Veja a seguir alguns sinais que merecem atenção.

Folga na alavanca

O principal vilão oculto que pode levar ao desgaste excessivo da embreagem é a folga na alavanca. Essa falta de ajuste costuma ser ignorada pelos motociclistas, mas é o principal causador de trocas prematuras da embreagem.

O excesso de folga faz com que ela não seja acionada em seu curso total, provocando trancos e dificultando os engates. Se você notar que as marchas começaram a entrar “apertadas”, peça uma regulagem: isso vai fazê-lo economizar muito no futuro.

Manete duro

O manete duro costuma ser um problema comum nas motos e até pode não estar relacionado diretamente à embreagem, mas, com o tempo, pode causar danos ao sistema.

Se a embreagem possuir acionamento manual, o manete duro pode ser fruto de cabos enferrujados, mal dimensionados ou até de manetes fora da especificação da moto (que fazem o curso de acionamento ficar muito curto ou muito longo).

Se o acionamento for hidráulico, falhas no sistema que distribui a pressão do óleo como vazamentos, falta de fluido e bolhas de ar podem fazer com que o manete fique duro ou não consiga acionar a embreagem corretamente.

Dificuldades para engatar marchas e arrancar

Quando você tem dificuldades para engatar as marchas da moto, seja ainda em movimento ou em ponto morto, o problema tende a ser mais grave e necessita da troca de componentes.

Discos de embreagem empenados ou sem as camadas de fricção (de cortiça e papel, como dissemos acima) costumam ocasionar esse problema. O empenamento dos separadores dos discos de embreagem também podem ser responsáveis pela dificuldade em engatar.

Trepidações

As trepidações aparecem quando um ou mais dentes das engrenagens internas do câmbio estão quebrados. Isso, com o tempo, leva ao desgaste excessivo também do sistema de embreagem.

As principais causas de trepidações são o uso extremo (como transportar um peso muito maior do que o recomendado para a moto ou regimes de uso off-road muito rígidos) e problemas com o óleo lubrificante.

Nas motos, o mesmo óleo que lubrifica o motor também lubrifica o câmbio e tanto a falta de troca quanto a troca fora do período recomendado podem ocasionar esse tipo de situação.

Entender o funcionamento da embreagem de moto é essencial para evitar problemas. Sua moto apresenta algum dos sintomas abordados acima? Então confira em nosso site as peças de reposição e comece a planejar sua manutenção!